O QUE É PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR) ?

O termo ruído é usado para descrever sons indesejáveis ou desagradáveis. Quando o ruído é intenso e a exposição a ele é continuada, em média 85 decibéis dB por oito horas por dia, ocorrem alterações estruturais na orelha interna, que determinam a ocorrência da Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR). A PAIR é o agravo mais frequente à saúde dos trabalhadores, estando presente em diversos ramos de atividade, principalmente siderurgia, metalurgia, gráfica, têxteis, papel e papelão, vidraria, entre outros.

SINTOMAS:

- perda auditiva;
- dificuldade de compreensão de fala;
- zumbido;
- intolerância a sons intensos (hiperacusia);
- o trabalhador portador de PAIR também apresenta queixas, como cefaleia (dor de cabeça), tontura, irritabilidade, entre outros.

Quando a exposição ao ruído é de forma súbita e muito intensa, pode ocorrer o trauma acústico, lesando, temporária ou definitivamente, diversas estruturas do ouvido. Outro tipo de alteração auditiva provocado pela exposição ao ruído intenso é a mudança transitória de limiar, que se caracteriza por uma diminuição da acuidade auditiva que pode retornar ao normal, após um período de afastamento do ruído.

A Norma Regulamentadora nº 15 (NR-15), da Portaria do Ministério do Trabalho nº 3.214/1978 estabelece os limites de exposição a ruído contínuo, conforme a seguir:

Nível de ruído (dB) - Máxima exposição diária permissível
85 dB - 8 horas
86 dB - 7 horas
87 dB - 6 horas
88 dB - 5 horas
89 dB - 4 horas e 30 minutos
90 dB - 4 horas
91 dB - 3 horas e 30 minutos
92 dB - 3 horas
93 dB - 2 horas e 30 minutos
94 dB - 2 horas
95 dB - 1 hora e 45 minutos
98 dB - 1 hora e 30 minutos
100 dB - 1 hora
102 dB - 45 minutos
104 dB - 35 minutos
105 dB - 30 minutos
106 dB - 25 minutos
108 dB - 20 minutos
110 dB - 15 minutos
112 dB - 10 minutos
114 dB - 8 minutos
115 dB - 7 minutos

CONSEQUENCIAS:

- em relação à percepção ambiental: dificuldades para ouvir sons de alarme, sons domésticos, dificuldade para compreender a fala em grandes salas (igrejas, festas), necessidade de alto volume de televisão e rádio;
- problemas de comunicação: em grupos, lugares ruidosos, carro, ônibus, telefone.

Esses fatores podem provocar os seguintes efeitos:

- esforço e fadiga: atenção e concentração excessiva durante a realização de tarefas que impliquem a discriminação auditiva;
- ansiedade: irritação e aborrecimentos causados pelo zumbido, intolerância a lugares ruidosos e a interações sociais, aborrecimento pela consciência da deterioração da audição;
- dificuldades nas relações familiares: confusões pelas dificuldades de comunicação, irritabilidade pela incompreensão familiar;
- isolamento;
- auto-imagem negativa: vê-se como surdo, velho ou incapaz.

PREVENÇÃO:

Sendo o ruído um risco presente nos ambientes de trabalho, as ações de prevenção devem priorizar esse ambiente. Como descrito anteriormente, existem limites de exposição preconizados pela legislação, bem como orientações sobre programas de prevenção e controle de riscos, os quais devem ser seguidos pelas empresas. Em relação ao risco ruído, existe um programa específico para seu gerenciamento:

- designação de responsabilidade: momento de atribuição de responsabilidades para cada membro da equipe envolvido;
- avaliação, gerenciamento e controle dos riscos: etapa na qual, a partir do conhecimento da situação de risco, são estabelecidas as metas a serem atingidas;
- gerenciamento audiométrico: estabelece os procedimentos de avaliação audiológica e seguimento do trabalhador exposto a ruído;
- proteção auditiva: análise para escolha do tipo mais adequado de proteção auditiva individual para o trabalhador;
- treinamento e programas educacionais: desenvolvimento de estratégias educacionais e divulgação dos resultados de cada etapa do programa;
- auditoria do programa de controle: garante a contínua avaliação da eficácia das medidas adotadas.

TRATAMENTO E REABILITAÇÃO:

Não existe até o momento tratamento específico para a PAIR. A principal forma de tratamento é a PREVENÇÃO. O fundamental, além da notificação que dará início ao processo de vigilância em saúde, é o acompanhamento da progressão da perda auditiva por meio de avaliações audiológicas periódicas. Essas avaliações podem ser realizadas em serviço conveniado da empresa onde o trabalhador trabalha ou na rede pública de saúde, na atenção secundária ou terciária, que dispuser do serviço. A reabilitação pode ser feita por meio de ações terapêuticas individuais e em grupo, a partir da análise cuidadosa da avaliação audiológica do trabalhador. Esse serviço poderá ser realizado na atenção secundária ou terciária, desde que exista o profissional capacitado, o médico otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo(a).

EM CASO DE DÚVIDA, CONSULTE O SEU MÉDICO !

OTORRINOLARINGOLOGIA é a especialidade que trata das doenças do OUVIDO, NARIZ E GARGANTA, entre outras.

Horário de Atendimento

Segunda à Sexta:

  • 8:00h às 12:00h
    13:30h às 20:00h


Sábado:

  • 8:00h às 12:00h


Telefone: (47) 3035-4640

Otorhinvs no Facebook